Postado em 24 de Maio de 2016 às 16h47

    Timidez é doença?

    Personalidade (33)

    Ana chegou ao consultório acompanhada de sua mãe. Era uma adolescente de 16 anos, bastante obesa e com muitas espinhas no rosto. Logo que começamos a conversar percebi que ela era pouco comunicativa e que todas as perguntas que eu dirigia a ela, a mãe se encarregava de responder.

    - Ela é muito tímida! – repetia a mãe constantemente.

    Terminada aquela entrevista, eu pedi que Ana retornasse a uma segunda conversa sozinha. Nesta segunda conversa ela foi aos poucos se soltando e, apesar de estar sempre cabisbaixa e com um riso nervoso constante, conseguimos interagir bem mais. Nos encontros que se sucederam Ana já pode expressar um pouco mais de seus sentimentos e não se mostrou como a mãe insistia em descrevê-la: TÍMIDA!

    O grande psicólogo Carl Gustav Jung, no início do século nos apresentava uma teoria dos temperamentos, na qual descrevia dois tipos básicos: os extrovertidos e os introvertidos, sendo estes últimos os que reputamos por pessoas tímidas. A idéia embutida em todas as teorias sobre temperamentos é que as pessoas já nascem com certas predisposições para comportar-se desta ou daquela forma.

    O comportamento humano não é algo que se esgote em explicações simplistas, que muitas vezes causam mais danos que benefícios (um destes é a pessoa tentar desculpar-se de todos seus maus comportamentos através de teorias deterministas: “eu nasci assim...”).

    A grande questão em jogo é saber: nascemos com comportamentos pré-determinados ou nossa personalidade é resultado de um longo processo de interação com diversos sistemas que nos influenciam e são influenciados por nossa presença?

    A timidez é um bom recurso para respondermos esta questão!

    No caso de Ana que eu citei acima, sua “timidez” era, na verdade, uma resposta equilibrada à sua interação com a mãe. A ansiedade da mãe fazia com que ela falasse compulsivamente, não dando espaço para que a Ana pudesse se expressar, o que causava um desequilíbrio na forma de expressão desta última.

    As famílias são um sistema de relacionamentos que busca constantemente um equilíbrio em suas formas de interação. Este equilíbrio é dinâmico e está sempre buscando novas organizações. Gosto de ilustrar sempre a família como se fosse um “móbile”, daqueles que penduramos de enfeite no quarto do bebê. É algo em equilíbrio, mas ao mesmo tempo em constante movimento, com os elementos ligados entre si por meio de fios invisíveis. Quando tocamos em um elemento do móbile, todos os outros são afetados.

    No caso da timidez o que ocorre é o que denominamos de ‘POLARIZAÇÃO’. Que é isto? Explico: uma polarização é uma forma de busca de equilíbrio dentro do sistema no qual elementos distanciam-se em direções opostas a fim de que todo o sistema possa continuar harmoniosamente. Seria como de uma peça do móbile fosse colocada mais para a ponta da trava que a sustenta e logo a peça que fazia o contra-peso tem que ser afastada também para a extremidade para que se alcance novamente o equilíbrio.

    Quando um elemento na família ocupa muito espaço social (fala muito, toma muitas iniciativas, etc.) os demais membros, ou pelo menos um membro específico, terá que equilibrar isto apresentando algum tipo de retração social – o que popularmente conhecemos por TIMIDEZ!

    Assim, como no caso de Ana, a timidez pode ser provocada, não por fatores biológicos, mas por fatores interacionais. A mãe de Ana falava por ela, era sua boca – não havia sentido de Ana ocupar um espaço que já estava ocupado. Ela ocupava o espaço do silêncio, que provavelmente não era ocupado por ninguém na família. Assim a mãe “falava pelas duas” enquanto Ana “calava pelas duas”, isso é polarização.

    Prefiro entender que a timidez, como qualquer outra conduta social, é resultado da interação de vários fatores e que se manifesta nas inter-relações, que são diferentes em cada caso.

    Finalmente uma palavra sobre o que fazer para quebrar as polarizações e re-equilibrar o sistema, evitando que haja “tímidos” e “expansivos”, mas que haja um pouco de cada em todos. O primeiro passo é renunciar as posições polarizadas. O que isso significa?

    As pessoas expansivas devem dar espaço para as menos expansivas de se manifestarem. Isso às vezes pode ser difícil, ter que agüentar o silêncio do outro em oposição à nossa ansiedade de falar e resolver rápido as coisas. Por outro lado sair do comodismo de ficar quieto e reivindicar seu espaço de manifestação também exige um esforço. São processos longos de aprendizado, mas que conduzem a um melhor ponto de equilíbrio – pelo menos onde as pessoas vão estar mais próximas umas das outras neste equilíbrio

    No entanto, existem casos em que a timidez está impregnada na pessoa e atrapalha seu convívio social. Então é importante buscar ajuda de um psicólogo para que a pessoa encontre um lugar de confiança para se soltar, falar de seus medos e angústias. Se você tem problemas com isso busque um profissional de sua confiança e não desista de ser feliz e interagir com outras pessoas. Boa sorte!

    Por Ieda Dreger

    Veja também

    Quando a mentira vira um problema?24/05/16 Muitas vezes vista como inocente chacota das quais nenhum ser humano escapa, a mentira pode causar tragédias, lesar relações humanas – e contas bancárias. Segundo pesquisas neurocientíficas, mentimos cerca de 200 vezes por dia e uma vez a cada cinco minutos, em média. A estatística soa exagerada, mas parece apontar aos depoimentos nas CPIs do Congresso......
    Você está sempre tentando modificar seu parceiro?23/05/16 Você já tentou ou pelo menos desejou mudar algo em seu parceiro? Dar uma “arrumadinha” nele... deixá-lo mais romântico, ou deixá-la mais econômica, ou mais organizado(a)? Mais objetivo(a) ou mais......
    De que forma a mania de limpeza afeta seu dia a dia?24/05/16 Uma das manias que mais afetam o relacionamento familiar é a de limpeza. Pessoas, principalmente mulheres, que dedicam todo o seu tempo para limpar as janelas, portas, vidros, lustrar móveis, lavar chão, podem estar perdendo o controle, o......

    Voltar para Blog