Postado em 23 de Maio de 2016 às 17h25

    Superando a perda e seguindo em frente

    Casais (31)
    1) Como superar a dor da perda de alguém?
    Ieda: A primeira coisa a fazer é se permitir sentir, no caso a dor. Quando perdemos alguém, ficamos frustrados, com raiva e tristes. E importante se permitir esses sentimentos sem fugir deles. Quando fugimos, estamos apenas adiando o momento da dor, e depois, quando ele pedir passagem, vem bem mais forte. É preciso parar e sentir, para se fortalecer e seguir em frente.
    2) Mas a maioria das pessoas pensa que não deve ficar em casa se lamentando e chorando por alguém que se foi!
    Ieda: É preciso elaborar a perda e isso é diferente de se entregar à dor, sentir-se a coitadinha e vítima. Não é bom ficar em casa CULTIVANDO a tristeza, mas é importante dar espaço para ela se manifestar. É preciso um tempo para pensar na relação, começo, meio e fim, erros e acertos, sua parcela de contribuição para ter chegado aonde chegou e outros. Não há culpados, existem atitudes de cada um que contribuíram para a situação chegar aonde chegou. Quando entendemos a dor, ela fica cada vez menor e por fim, vai embora. Isso é diferente de cutucar a ferida (porque dói) ou negar a ferida (ela infecciona se não cuidada).
    3) Como fazer para “desapaixonar” de alguém?
    Ieda: Não existe mágica, é força de vontade para entender e ver o outro e a si mesmo com erros e acertos. Quando nos apaixonamos, estamos admirando o outro. A admiração muitas vezes é baseada na idealização. Então é importante perguntar-se: o outro é mesmo como eu imagino? Como posso ter certeza? Que características ele tem que me atraem?
    Fazer uma lista de características positivas e negativas do outro também nos auxiliar a vê-lo de forma mais real. O que é positivo no outro? Esse positivo é agora e será no futuro também? É isso que quero para a minha vida?
    Quando estamos apaixonados, temos a tendência de não perceber os pontos negativos do outro ou, se enxergamos, passamos a não considera-los importantes. É como se o outro só tivesse coisas boas. E isso não existe. Para “desapaixonar” ajuda perceber, também, os defeitos. As pessoas apaixonadas percebem e montam as histórias imaginárias que quiserem. É importante se resgatar e resgatar a auto-estima para poder se perceber de forma mais clara e seguir a diante.
     4) Existe morte imediata no amor, ou seja, alguém deixa de amar de uma hora para a outra?
    Ieda: Não acredito nisso. O parceiro sempre dá sinais de que algo não vai bem, ás vezes simplesmente, por motivos diversos, não percebemos ou não queremos perceber.
    5) E porque as pessoas não falam quando não estão bem, estão infelizes ou insatisfeitas?
    Ieda: Porque a grande maioria das pessoas não sabe dialogar. Pensam que o outro deve ter uma “bola de cristal” e adivinhar o que gostam ou não. Quando não gostam de alguma coisa vão guardando, engolindo...E depois explodem, quando quase nada há a fazer pelo amor. Isso também vai minando o relacionamento e o sentimento.
    6) Mas é difícil mudar a imagem que se tem de alguém.
    Ieda: Não é fácil, até porque muitos sinais de amor se confundem com amizade, companhia, sentido de vida, gentileza e outros. Mas é importante ver a si próprio e ao outro de forma clara.  O autoconhecimento é uma das coisa mais preciosas. Quando nos conhecemos profundamente, aprendemos a reconhecer porque escolhemos uma pessoa e não a outra, o que há por trás de nossas escolhas, o que realmente queremos para a nossa vida, de que forma queremos viver...E isso nos dá a possibilidade de ver aos outros de forma mais real, com menos fantasia e idealização. Quando você se conhece aprende a compreender que o outro não É A SUA VIDA, ele faz parte da sua vida e é importante, mas não é você. 

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    "Eu preciso de você" - Um amor por necessidade24/05/16 Quando temos a experiência de amar por necessidade em vez de querer estar com o outro porque o amamos, corremos o risco de sofrer e perder a identidade. Uma das características da infância é a dificuldade em dividir as coisas. Por quê? Porque a criança se vê, se percebe, como o centro do universo. Mas ao mesmo tempo ainda não sabe o que ela é.......
    Como nos adaptamos às mudanças?24/05/16 Conversando com um casal de idosos e ouvindo suas histórias, fiquei pensando nos inúmeros desconfortos que temos nos dias de hoje. Eles gostam muito de nos relatar as suas dificuldades, que eram realmente muitas. No entanto,quase todas elas......
    O casal e os problemas financeiros23/05/16     Como comentei em outra matéria, os assuntos que mais problemas trazem aos casais são: família, sexo e dinheiro. Talvez porque o maior problema de todos ainda seja a falta efetiva de uma......

    Voltar para Blog