Postado em 24 de Maio de 2016 às 16h49

    Se você é fofoqueiro (a), cuidado! A próxima vítima poderá ser você!

    Frequentemente alguém formula uma crítica destrutiva sobre a vida de um ator famoso, sem razões e fundamentos, apenas porque seu papel em uma novela ou um filme é de bandido, traficante, e outros.
    Às vezes os conselhos de uma pessoa não são levados em conta porque essa pessoa é de cor branca, cor negra, ou católico, judeu, etc.
    Esses comportamentos são mais frequentes do que imaginamos, ou seja, o que pessoas dizem que é aceito ou não, acontece não por razões que fundamentam o seu dito e sim por suas características pessoais.
    Se nos concentrarmos nas pessoas quando fizermos uma crítica, podemos deixar de lado o que é mais importante, e não evoluir de forma correta no ASSUNTO que é o mais importante na questão. Dar atenção demasiada na pessoa que está falando é desprestigiar o assunto em si.
    Pode acontecer assim, que as SUPOSTAS características negativas de uma pessoa tirem toda a credibilidade que ela tem e sirvam para desqualificar ela para qualquer outra coisa que ela queira fazer.
    Antes de acusar é preciso refletir e ter senso crítico.
    O primeiro passo é saber ouvir, o segundo é ter senso crítico sobre o que se ouve (em qualquer lugar) o terceiro é administrar o que se ouve e as conseqüências que isso causa em cada um.
    As críticas se justificam e são sólidas, quando se relacionam estritamente com o tema que se discute, quando está em contradição com a conduta da pessoa e quando pode existir um diálogo sobre o assunto.
    Um argumento, quando é razoável, não depende de quem formulou ele, portanto ele merece ser analisado.
    Muitas pessoas inseguras usam a crítica destrutiva como forma de depreciar o outro. Falam do que não sabem e nem ao menos se dão o tempo de refletir sobre o assunto. É o tipo do “telefone sem fio”, começa com um assunto e quando chega na última pessoa virou uma história completamente distorcida. Quando a pessoa não está segura de suas qualidades, precisa acabar com a qualidade do outro. Exemplo disso é aquela pessoa que se informa pouco e entra na discussão de um tema profundo. Acaba não concordando com nada do que é dito para que os outros não percebam sua ignorância. Criticar em demasia é a arma de pessoas desqualificadas.
    Estar consciente de quando nós podemos aceitar ou não uma questão, pode nos ajudar em nossas decisões. Aqui nós podemos falar das famosas fofocas. Aquele famoso: “o amigo do meu amigo me disse...”. Se eu não sei, se eu não vi, se eu não participei, eu não falo sobre o assunto. Uma fofoca pode acabar com a vida de uma pessoa. E mesmo que você tenha visto, participado, ouvido algo sobre o assunto isso não lhe dá o direito de sair falando da vida alheia. Lembre-se, quem muito fala da vida dos outros deve estar com muitos problemas e com dificuldade de olhar os seus próprios problemas, assim é mais fácil falar dos outros do que olhar os seus.
    Medir as palavras e viver centrado naquilo que se pensa e naquilo que se fala é a única garantia de credibilidade, mesmo assim não há como nos protegermos das criticas destrutivas e das fofocas. Para você que gosta de destruir a vida do outro, lembre-se, o próximo pode ser você.
    A crítica destrutiva, assim como a fofoca, não tem nenhuma alternativa a oferecer, só destruição, aniquilamento e uso de qualquer pretexto para desqualificar a outra pessoa. Portanto, se você não tem nada de bom para falar, melhor ficar de boca calada, não?

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Madrasta sofre menos quando assume seu papel. Não adianta bancar a substituta da mãe e nem a melhor amiga31/05/16 Se por um lado a imaginação das pessoas propagou a fama de má da madrasta, por um outro lado mais realista, essa mulher costuma penar na nova casa. Um de seus dramas mais comuns é ter que enfrentar a rejeição que sofre por parte dos enteados. Em geral, ela assume uma dessas duas estratégias: a de repetir os mesmos hábitos da mãe das crianças, (que......
    O meu filho vai ser reprovado. E agora?25/05/16 Não é fácil mesmo, porque aquele é o seu filho, educado por você, estudando na escola que você escolheu. Num primeiro momento, as famílias responsabilizam a instituição. Em outros momentos culpam a......

    Voltar para Blog