Postado em 24 de Maio de 2016 às 17h16

    Como culpa e autoestima se ligam?

    Personalidade (33)

    O sentimento de culpa permeia a vida de muitas pessoas e é um dos componentes que leva a depressão, junto com o medo e a depreciação.

    O psicólogo e médico Luis Chiozza já disse que todas as pessoas sentem culpa. Alguns psicólogos defendem inclusive que a depressão vem da culpa e da depreciação de si mesmo. A culpa pode amargar a vida, mas é também um sentimento que nos impulsiona a rever determinadas atitudes.

    Mas é muito importante distinguir culpa de responsabilidade. Responsabilidade é a capacidade de respondermos às conseqüências de nossas atitudes. A culpa é algo que se atribui a alguém que causou um dano ou delito, independente da responsabilidade que assuma.

    A culpa que sentimos é resultado de nosso próprio juízo, do que fizemos e do que achamos que deveríamos ter feito.

    Os sentimentos de culpa levam à idéia de castigo, e a culpa do outro leva à idéia de vingança.
    As coisas são como são e não necessariamente como queremos que sejam, o nosso ideal, que se rege por nossos valores e nossa moral que é um conjunto de normas éticas com as quais nos identificamos.

    Nos esquecemos que talvez o mais próximo do ideal que conseguimos chegar geralmente aprendemos com as experiências de fracasso que vivemos, ou seja, daquilo que não é ideal.
    A auto-estima se relaciona com a culpa, mas é inversamente proporcional a ela, porque quanto mais culpa, menor a auto-estima.

    O “ideal” se incorporou as tradições e costumes da sociedade, os tópicos específicos das classes sociais, as figuras de autoridades, as pessoas que respeitamos e admiramos, e representa uma influência inconsciente que exige seu cumprimento e é com respeito a este ideal que experimentamos culpa e auto-estima.

    A pessoa sente-se culpada por não ter feito as coisas segundo seus valores e ideais e inconscientemente sente que necessita de castigo, porque se vê como má pessoa sem conseguir avaliar com racionalidade a situação e compreender que aquilo que fez em tal momento era o que conseguiu fazer, e só.

    Quem é a pessoa que nunca erra? Quem nunca sente culpa? Ninguém, mas existem aquelas pessoas que erram, aceitam seus erros, se desculpam, tentam melhorar e crescer.

    Todo ser humano precisa amar-se e respeitar-se para poder fazer o mesmo com os outros. Quando as pessoas deixam de fazer isso, produzirão conflitos difíceis de se resolver e culpas que vão procurar projetar no outro com medo de assumirem suas imperfeição.

    É muito mais fácil pedir perdão a quem seja, e principalmente a você mesmo, sabendo que fez unicamente o que conseguiu fazer naquele momento, e seguir em frente.

    O sentimento de culpa pode também aparecer naquelas pessoas que são exigentes demais consigo mesmas, pois nada do que fazem é suficiente.

    O que importa é que cada um possa e consiga tomar conta de sua vida, se cuidar, se respeitar, se tratar bem, porque assim poderemos compreender onde está nossa responsabilidade e onde está a dos outros.

    A felicidade acontece quando sabemos que estamos cumprindo nossos objetivos, sem no entanto, assumir as responsabilidades dos outros como se fossem nossas e sofrer amargamente com isso por nos sentirmos usadas (os) e sobrecarregadas (os).

    A abnegação é o que trás o maior sofrimento, é quando, dentro de nossa auto-estima baixa, achamos que todos merecem ser mais felizes do que nós. E essa crença torna-se verdadeira, porque plantamos ela dentro de nós. E nossa vida vira um caos.

    Culpa? Desculpe-se, não apenas pelo outro, mas por você. Quem mais sofre com a culpa é quem sente-se culpado, às vezes mais do que o outro que sente-se injustiçado. Auto-estima baixa? Busque ajuda, reveja-se, remonte-se...e dê-se tempo de ser feliz. Invista em você, cuide de você e cresça.

    Por Ieda Dreger

    Veja também

    O que vem depois do "sim" no altar?23/05/16 Dificilmente encontraremos uma mulher que quando menina e brincando de boneca não sonhou em ter uma família, com marido, filhos...dificilmente encontraremos um homem, que quando menino em suas primeiras paixões, não desejou que aquela relação fosse para sempre. Assim, esse menino e essa menina cresceram e se transformaram em adultos...apaixonaram-se e resolveram se......
    Perdendo alguém que amamos24/05/16 A dor é suportável quando conseguimos acreditar que ela terá um fim e não quando fingimos que ela não existe.´ (A. B. Campbell) Primeiramente, quero abordar alguns mitos sobre o luto, que dificultam uma......
    Acabando com as brigas constantes24/05/16 Todos os casais discutem e o conflito até é importante numa relação afetiva. No entanto, há discussões intensas, que nem sempre versam sobre assuntos importantes, que deixam marcas e que se transformam em novelos......

    Voltar para Blog