Postado em 24 de Maio de 2016 às 14h26

    Raiva e comida: que relação isso tem?

    Gerais (41)

    A raiva é uma emoção natural que gera um impulso ou reação para lutar. Ocorre diante de uma ameaça simbólica ou real à nossa auto estima , dignidade. Quando recebemos tratamento indelicado, quando nos sentimos injustiçados, quando um direito nosso é desrespeitado ou não o reivindicamos ou, ainda, quando não conseguimos dizer “NÃO” na hora oportuna a uma solicitação que não poderíamos atender.
    No processo de educação, a escola, a família, a religião mostram como “é feio” expressar esta raiva.
    “Educação” para uns, “virtude” para outros, aprendemos a “engolir” a raiva, o que tem enorme custo. Raiva interiorizada passa a nos deprimir. Quando rompemos um relacionamento substituímos a raiva pela culpa. Diante de um apelido indelicado a menina não expressar a raiva, mas sente-se humilhada.
    A raiva desencadeia os mesmos mecanismos fisiológicos do stress : cansaço, dificuldade de dormir oi manter-se acordado, impulso contido para a luta...fome !
    Além disso, quando não conseguimos expressar adequadamente a raiva, podemos voltar ao estágio primário, onde a raiva era atenuada pela...comida. Comer, relaxar...
    Agredir, puramente, aumenta a culpa e não tem efeito sobre nossa auto-estima.
    Omitir provoca bloqueio da mesma e, que por si só, promove realimentação da raiva.
    “Dar porrada” ou “engolir sapo” podem levar à comida... O que fazer?
    É fundamental que desenvolvamos assertividade, que pode ser definida como a comunicação adequada das emoções, sem ansiedade. A comunicação do descontentamento com o fato, com a situação, com o comportamento que provocou a raiva. A comunicação assertiva envolve a afirmação dos próprios direitos e expressão de pensamentos, sentimentos e crenças de maneira direta, honesta e apropriada que não viole o direito das outras pessoas.
    Assertividade é uma habilidade a ser exercitada. É um tremendo facilitador em nossos relacionamentos e a única solução para expormos sentimentos, direitos, limites. O comportamento assertivo melhora nossa auto-estima e evita a ruminação e a agressividade. Evidentemente, nos levará a comer menos...
    O trabalho de assertividade merece capitulo a parte dentro de uma psicoterapia, especialmente quando visa emagrecimento. Como fomos educados para “sermos bonzinhos”, “darmos o outro lado” ou “darmos pancada”, HABITUALMENTE NÃO SOMOS NATURALMENTE ASSERTIVOS. Por isso é UMA COMPETENCIA A SER DESENVOLVIDA!
    G. 27 anos sempre foi filha submissa. A “boazinha” da casa. Aquela que fazia “tudo para o bem dos irmãos”, que “compreendia” as divergências dos pais. Casou-se e manteve a mesma linha de conduta em relação ao marido. Três anos depois, separou-se e voltou a estudar. A posição familiar era de resistir ao seu progresso. Na medida em que se submetia comia ansiosamente e engordava. Todos os relacionamentos tinham um denominador comum : seu excesso de disponibilidade. No tratamento psicoterápico passou a trabalhar estes aspectos comuns: não posicionamento, excesso de disponibilidade, submissão, auto desvalorização. Quando passou a se posicionar, sentiu a estranheza das pessoas que a cercavam e que se acostumaram a vê-la submissa. Pouco a pouco, na medida em que trabalhava a raiva reprimida, expressava sentimentos, resgatava a individualidade e reivindicava os próprios direitos, a fome emocional foi desaparecendo e seu peso baixando de “dentro para fora”. O posicionamento assertivo dava-lhe novas formas de expressão de sentimentos, que outrora iam para a comida.
    Sendo para emagrecer ou para ter saúde psicológico, ser assertivo é um direito e um dever de você para com você mesmo e para com os outros. Lembra daquela frase que diz: os outros só fazem com você o que você permite que façam? Então, a decisão é sua.
    Se tiver dificuldade, busque ajuda e orientação de um psicólogo capacitado.

    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Falta de desejo feminino, você conhece?24/05/16 Tenho recebido (em meus site) muitas perguntas sobre as disfunções sexuais femininas. Em meu consultório, muitos casais vem em busca de soluções para diferentes problemas nesta área, então, vamos conversar um pouco sobre o assunto. Hoje vou escrever um pouco sobre inibição do desejo sexual feminino. Não são apenas as mulheres que......
    Porque é tão difícil viver a dois23/05/16 Quando conheceu o homem que se tornaria seu marido, Fernanda, 36 anos, acreditou ter encontrado o grande amor de sua vida: "Mauro era romântico e atencioso. Nunca brigávamos, em poucos meses, já pensávamos em nos casar.......
    Você sabe o que é Violencia Emocional?24/05/16 Embora a violência doméstica seja a mais comum, não posso deixar de falar da violência emocional, por ser ela a mais silenciosa forma de violência doméstica e para a qual não é dada muita......

    Voltar para Blog