Postado em 25 de Maio de 2016 às 09h40

    Adolescência: O que é normal nesta fase?

    Psicologia Adolescente (19)

    Quem tem um filho adolescente com certeza já deve ter feito a si mesmo essa pergunta. Afinal, como definir os limites da “normalidade” neste período de vida marcado por tantas mudanças? São tão rápidas as transformações físicas, as mudanças de humor e as diferenças de comportamento, que as atitudes dos jovens quase sempre parecem, aos adultos, estranhas e “fora de controle”.

    Definitivamente, eles não são mais os mesmos de alguns anos atrás, quando faziam o que o professor mandava, não questionavam as ordens do pai e da mãe e eram pouco influenciados pelo grupo de amigos. Agora, eles precisam livrar-se do que os prende à infância.

    O adolescente quer afirmar sua independência. Enquanto tenta acostumar-se ao seu novo corpo, ele tenta cortar os laços com a família . Para ele, é vital essa sensação de ruptura, a “separação psicológica”, porque sem ela não consegue se ver como um ser humano único, alguém que pode ser diferente, principalmente de seus pais, que são os mais próximos. É “normal” o adolescente protestar, não aceitar as idéias dos mais velhos, testar a autoridade, adquirir costumes diferentes, repetir gestos que desagradam, criticar características dos pais dentre outros.

    O adolescente adota atitudes e comportamentos que os adultos em geral só conseguem enxergar como rebeldes! Ele se volta para os companheiros, e é em seu grupo de iguais que consegue encontrar compreensão, pode expressar suas idéias e sentir-se mais forte e independente.

    Onde ficam os pais? Uma de suas tarefas mais importantes seria ajudar os filhos a tornarem-se independentes, com carinho, segurança e tranqüilidade. Mas como é difícil trocar o antigo papel de proteção pelo de orientação e confiança, ajudando os filhos a terem responsabilidade enquanto crescem. Como é difícil trocar velhos programas que serviam bem para a família, quando as crianças eram pequenas, por programas novos, com pessoas e idéias tão diferentes. É importante que os pais consigam acolher e abrir espaço dentro da família para esse filho que agora está tão diferente, que consigam dialogar sobre as idéias desse adolescente e ser claros, também ouvindo e ajudando na compreensão sobre a vida.

    Na maioria das famílias, não há um diálogo livre sobre várias questões, inclusive sobre a sexualidade. É uma época que muitas adolescentes engravidam e se tornam mães. Muitos pais ainda pensam e agem com discriminação. Enquanto estimulam o filho homem a iniciar a vida sexual bastante cedo, não querem nem imaginar que a filha também tenha desejos sexuais.

    Os comportamentos descritos acima caracterizam a adolescência , embora sejam estranhos para muitos adultos. Um adolescente pode ser grosseiro, agressivo e insolente - uma conduta normal, ainda que não admirada. Pode vez ou outra participar de uma molecagem em grupo, até destruir objetos, esvaziar pneus, ficar bêbado ou experimentar alguma droga, e, dentro de certos limites, também isso pode ser considerado “normal”.

    O que importa é que os pais estejam ao lado do filho adolescente, não para julgar, mas para conversar. É preciso colocar limites sem, no entanto, apelar para e rigidez. Há vários livros e vídeos que falam sobre o assunto, há também “sites” na internet sobre adolescentes, suas gírias, seus assuntos, suas idéias. Há ainda o auxílio de profissionais capacitados em ajudar essas famílias, são os psicólogos que trabalham com a família toda, ajudando-os a compreenderem suas dificuldades. Converse, converse, converse... Não sabe? Nunca é tarde para aprender.

    Por Ieda Dreger

    Veja também

    Dependência química e terapia: um grande desafio que pode dar certo24/05/16 O uso de drogas tem acompanhado o homem na história da humanidade e provocou diferentes impactos no decorrer dos tempos. Passou lentamente de um uso ritualístico, com finalidade de transcendência durante a Antigüidade, para o consumo contemporâneo de busca de prazer, alívio imediato de desconforto físico, psíquico ou de pressão social, a vontade de estar......
    Você finge ter orgasmo?24/05/16 Tatiane: Nas vezes em que vou fazer sexo com meu namorado é sempre igual. Ele não faz nada de diferente, nem carinho e nem nada. Sexo oral? Nem pensar. Será que eu estou com algum problema? Eu até perco o tesão e finjo gozar......
    Só um novo amor apaga o antigo?24/05/16 O fim de um relacionamento é sempre doloroso. Quando é forçado pra uma das partes então... Solange, coitada, mal pôde aproveitar o namoro sem pesos na consciência com Luciano e já o perdeu. Achando que o amor da......

    Voltar para Blog