Postado em 24 de Maio de 2016 às 17h33

    Você tem medo da Paixão?

    Medos e fobias (12)

    A paixão é comparada ao fogo: intensa, forte, quente, envolvente e extremamente sedutora.

    Não manda aviso que está chegando nem pede licença para entrar em sua vida.
    Algumas pessoas temem a paixão pelo movimento de entrega que ela implica. Paixão é envolvimento, o apaixonado mistura-se ao outro e às próprias expectativas em relação ao outro.

    Usamos o termo “cegos de paixão”, porque realmente esta “dança” parece algo cega, não “enxergamos” o outro como se houvesse entre nós uma cortina de fumaça composta por nossas ilusões, fantasias e desejos. Na paixão enxergamos apenas o que queremos ver, nossas necessidades, nossa completude.

    E o que isso significa? É ruim a paixão? Saúde ou loucura?

    Toda cegueira traz consigo a escuridão e a insegurança. O sentimento de segurança não se desenvolve a partir de nossos olhos, mas dentro de nós. O que nos protege contra o medo é nossa certeza de poder superá-lo. A paixão é uma forma de envolvimento emocional; o que possibilita o permitir-se apaixonar é a sensação de individualidade; quando sabemos quem somos e o que desejamos, a paixão chega como um movimento que acrescenta e nos transforma, mas, quando estamos perdidos dentro de nós, frágeis e imaturos, a paixão torna-se perigosa e viciante, nascem as relações doentias onde o outro passa a ser a parte que necessitamos insanamente.

    A maturidade emocional traz segurança e parâmetro para nos lançarmos na paixão. Isto não significa “medir” o quanto se entregar, ou envolver-se de forma moderada tentando evitar um possível sofrimento, pelo contrário, significa ter internamente a certeza que existe um “eu” que está se apaixonando, capaz de se defender e que não “desintegrará” com uma frustração, sofrerá sim, caso se decepcione ou não for correspondido, mas certamente sairá renovado e fortalecido dessa experiência.

    A paixão é um movimento intenso onde reina a emoção e onde a razão de nada ou pouco interfere. Como todos os “movimentos” humanos, pode ser positiva, à medida que possibilita crescimento e transformação, ou negativa à medida que torna o indivíduo alienado e dependente emocionalmente.

    O ser humano necessita amar e ser amado para se desenvolver. Existem várias formas de amar, acredito que o amor é um sentimento que conquistamos, implica em carinho, ternura, gratidão, companheirismo, desejo, amizade, aceitação, e muitas outras coisas, mas, principalmente implica em conhecer o outro.

    É comum as pessoas se apaixonarem por alguém que conhecem muito pouco, simplesmente, porque a paixão vem de outra esfera, a esfera da ilusão, tão necessária para nossa vida. Com o decorrer da relação, e ao passo que as pessoas vão se conhecendo melhor, suas qualidades e desejos, suas particularidades, ela vai naturalmente tomando novas formas podendo se transformar em amor, amizade, ternura ou - nas piores hipóteses - em relações doentias, onde reinam outros sentimentos como raiva, posse, inveja, mágoa e ressentimento.

    Muitas vezes nos relacionamos buscando no outro o que não temos, ou o que pensamos que não temos. Nas relações patológicas o outro passa a desempenhar o papel ou a função na qual temos dificuldade. Por exemplo, se não sabemos nos defender, colocamos o outro como nosso defensor ao assumirmos a posição de vítimas, enquanto poderíamos usá-lo como modelo, aprendendo com ele a nos “autoproteger”, a sermos mais seguros e assertivos em nossos desejos e responsáveis por nossas atitudes.

    O caminho que cada relação vai tomar, dependerá da saúde emocional de cada um dos envolvidos. Devemos cuidar de nossa saúde emocional da mesma forma que cuidamos de nossa saúde física, pois ela interfere em todas as relações que fazemos, sejam pessoais ou profissionais e em nossa busca de viver de forma prazerosa e feliz.

    Em síntese: Paixão é vida, é arriscar, é ousar, é envolver-se, é sentir e não apenas pensar. Aprendemos com a experiência a avaliar a relação custo/benefício de nossos atos, mas também aprendemos que a vida não pode ser conduzida pelo medo, pois é preciosa demais para ser desperdiçada.

    Então... você ainda tem medo da paixão?


    Por Ieda Dreger. 

    Veja também

    Você é uma pessoa explosiva?24/05/16 Ao longo de nossa vida, provavelmente esbarramos, ou, ainda, corremos o risco de esbarrar com pessoas que parecem levar uma carga de dinamite embaixo dos braços. E que não se trata do Bin Laden e nem dos homens-bombas, que explodem em prol da causa palestina, mas sim de indivíduos que estão sempre prestes a reagir como se fossem um deles: ao menor sinal de divergência detonam a......
    Não tenha vergonha de ter medo24/05/16 MEDO palavrinha conhecida de todos nós, quem já não teve medo de algo? Inúmeras pessoas sofrem com seus medos, mas poucas são capazes de admiti-los, principalmente para não se sentirem infantis ou ridículas.......
    Adolescência: O que é normal nesta fase?25/05/16 Quem tem um filho adolescente com certeza já deve ter feito a si mesmo essa pergunta. Afinal, como definir os limites da “normalidade” neste período de vida marcado por tantas mudanças? São tão rápidas as......

    Voltar para Blog